Troca de óleo por sucção: mais rápida, mas com mais riscos

Publicado em 24 de Maio de 2017

Categoria: Geral

5755d11d0e216345750947c0troca de oleo por succao numa oficina especializada da cidade
Troca de óleo por sucção pode até demorar menos, mas traz mais riscos ao motor de seu carro. Saiba como evitá-los

Você já foi à oficina e lhe ofereceram a troca de óleo por sucção (ou a vácuo) e ficou na dúvida se valia a pena? Certamente lhe disseram que o processo, que consiste em usar uma cânula para extrair o óleo inserido pela entrada da vareta, é mais rápido, mas ninguém deve ter lhe dito que ele esconde alguns riscos para o motor.

Uma troca de óleo por sucção leva em média 4 ou 5 minutos. Na troca por gravidade, existem fatores que podem atrapalhar a retirada do bujão do cárter (tampa), mas, entre levantar o carro e esgotar todo o óleo, uma boa troca leva em média 20 minutos.

Restinho no fundo

O primeiro perigo da troca a vácuo é quando o motor não está quente. A 90 ºC, a viscosidade diminui e o óleo sai com mais facilidade. Quando está frio, a troca por sucção não elimina todo o lubrificante velho. E óleo oxidado penaliza a vida útil do óleo novo: em contato com o óleo velho, a tendência é que o novo perca a viscosidade.

“Em minha oficina, só faço a troca com a remoção do bujão, assim quase 100% do óleo velho é retirado. Na troca por sucção, há o problema de motores em que a sonda não atinge a parte mais funda”, diz o mecânico Pedro Luiz Scopino, consultor técnico do Sindirepa, o sindicato dos mecânicos de São Paulo.

Isso piora quando o prazo de troca não é respeitado e surge a borra. A sucção não elimina todo esse óleo pastoso. Só uma troca por gravidade conseguirá escoá-lo. Às vezes nem assim: é fazer a descontaminação, que vai do uso de uma substância que remove a borra à abertura do cárter. E isso não sai barato – pode chegar a R$ 1.000.

Além de não eliminar todo o lubrificante velho, a sucção oferece outros riscos. O motor gera micropartículas de metal que ficam no fundo do cárter, que é projetado para ficar na parte mais baixa do motor. Quando se escoa o óleo por baixo, essas micropartículas são eliminadas. Quando se faz a vácuo, pode sobrar uma lâmina de óleo com partículas sólidas

A troca por vácuo pode também introduzir novos resíduos no motor. Um dos problemas de inserir uma sonda é que ela pode estar contaminada com algum tipo de sujeira. E no caminho ela ainda pode afetar peças, dos retentores à ponta do pescador da bomba, num caso extremo.

Mas, se é tão contraindicada, por que em países como os Estados Unidos a troca por sucção predomina? Porque pode ser útil em algumas situações. “Só troco o óleo por sucção se o cliente pede. Em geral ele diz que o bujão está com algum problema ou que o cárter amassou”, afirma Rogério Galvão, gerente da Flextub, empresa especializada em troca de óleo.

Quando bem executado, o sistema a vácuo (ou de sucção) não causa dano e oferece algumas vantagens. Nele, não há o risco de danificar o bujão (parafuso que veda o cárter) ou o próprio cárter, especialmente quando ele é feito de alumínio. Mas o método não é recomendado por algumas montadoras e técnicos porque exige um funcionário bem treinado e experiente, além de um nível de pressão adequado ao tipo de motor.

Nem entre as montadoras há consenso. “A Peugeot, por exemplo, usa máquinas de sucção em suas concessionárias; a Ford não. A Mercedes-Benz é a única que tem os dois sistemas, mas são muito criteriosos no uso da sucção”, diz José Palácio, consultor do Instituto da Qualidade Automotiva.

A troca ideal

Para que a troca de óleo seja sempre bem feita, é importante que o motor esteja em sua temperatura ideal de funcionamento, ou cerca de 90 ºC. Se você tiver de esperar pela troca de óleo, deixe o motor funcionando até levá-lo para o lugar de troca ou ligue-o por uns 10 minutos antes de começar o processo.

Certifique-se de que o bujão seja corretamente retirado, sem danos ao cárter, e que o escoamento de óleo dure pelo menos 15 minutos, para eliminar todo o lubrificante velho. Fique atento também à recolocação do bujão, em especial se o cárter for de alumínio. “Se exagerar no torque de aperto, ele pode trincar e vazar”, afirma Rogério Galvão, gerente da Flexlub.

Na troca por sucção, certifique-se de que a sonda está limpa e de que ela é mais fina que a passagem pela vareta de óleo. Se ficar justa, pode gerar pressão no interior do motor e danificar os retentores e juntas do motor. Também não tenha pressa e recorra a pessoal especializado, que saiba manejar o equipamento corretamente, para evitar danos às peças do motor.


Por: Christian Castanho/Quatro Rodas.